Doenças de pele e uso de EPI: entenda essa relação!

Sem categoria

Para garantir a integridade física e a saúde de seus colaboradores, algumas medidas devem ser estabelecidas. A primeira delas está justamente em elaborar um mapa de riscos para entender quais são os principais pontos de seu negócio que oferecem algum tipo de ameaça aos profissionais, além de conhecer os principais tipos de EPI que estão relacionados à sua organização.

Um dos problemas ocupacionais que atingem grande parte das empresas refere-se à pele. E você conhece quais são as principais e a relação existente entre doenças de pele e uso de EPI?

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para que você saiba quais são essas doenças, além de conhecer os principais EPIs que garantirão a saúde de seus funcionários. Boa leitura!

Principais doenças ocupacionais de pele

Inicialmente, entenda quais são as principais doenças ocupacionais de pele.

Dermatite de contato

A primeira a ser destacada é a dermatite de contato. Ela ocorre quando a pessoa fica exposta por um longo período a substâncias que causam algum tipo de alergia — no entanto, em alguns casos, uma única vez é suficiente para que o colaborador apresente os sintomas.

Entre aqueles principais sinais, destacam-se:

  • coceira;
  • vermelhidão;
  • descamação;
  • erupção cutânea.

Quando esses problemas já aparecem em um contato inicial, dá-se o nome de dermatite de contato primária; do contrário, chama-se dermatite de contato alérgica.

Pitiríase

A pitiríase é outra enfermidade que ocorre na pele, em que aparecem manchas pelo corpo de diversas cores, como brancas, castanhas, rosas e amarelas. Existem três tipos de pitiríase:

  • pitiríase alba — nesse caso, aparecem manchas brancas e com uma pequena descamação, que surgem geralmente em pessoas com tendência à alergia. A partir disso, elas evoluem para pouca ou nenhuma pigmentação, nos braços, no tronco e no rosto.
  • pitiríase versicolor — nesse caso, as manchas amarelas e castanhas surgem brancas devido ao contraste com a cor da pele bronzeada pelo sol. É causada por um fungo e piora seu estado desde que a pessoa não tome os cuidados necessários;
  • pitiríase rosa de Gilbert — ainda não se conhece sua causa, mas é caracterizada por uma erupção na pele.

Sarna

O contágio da sarna dá-se justamente a partir do contato direto com outras pessoas que tenham a doença ou, até mesmo, com objetos que estejam contaminados. Nesse caso, só há transmissão se houver um contato longo da pessoa com o outro indivíduo ou com materiais.

Entre seus principais sintomas, está a coceira. Ao penetrar no corpo do humano, o ácaro cava túneis para depositar seus ovos. No momento em que se movimenta por esses túneis, traz a sensação de incômodo ao indivíduo, além de ocorrer prurido em alguns casos.

Vitiligo ocupacional

Nesse caso, há uma perda da pigmentação da pele. Entre os sintomas a serem destacados, a perda de pigmentação também de cílios, sobrancelhas, barbas e cabelo deve ser destacada. Também há uma alteração na cor do globo ocular, além de manchas em torno das axilas e dos órgãos genitais.

Algo que merece atenção tanto por parte dos gestores quanto dos colaboradores está relacionado ao estresse, que pode piorar o quadro de vitiligo. Nesses casos, é preciso que haja um entendimento de ambas as partes para que ações sejam tomadas, de modo que se diminua a pressão aos colaboradores e estratégias sejam adotadas para melhorar o clima organizacional.

Doenças de pele e uso de EPI

Agora que você já conhece as doenças de pele mais comuns relacionadas ao trabalho, chegou o momento de entender sobre os principais tipos de EPI a serem utilizados.

Luvas

Hoje, há muitas alternativas de luvas de proteção, o que pode causar dúvidas aos gestores no momento de escolher aquelas ideais para seus colaboradores. Conforme mencionado, o mais indicado é elaborar um mapa de riscos para que entenda os principais perigos aos quais os profissionais estão submetidos e, logo em seguida, verifique quais são aquelas opções que os protegem nesse sentido.

Entre os tipos de luvas, há aquelas que protegem contra ambientes muito secos, as que oferecem resistência a materiais químicos, enquanto outras são exclusivamente para proteger de cortes comuns às atividades laborais.

A luva de PVC, por exemplo, vai proporcionar ao funcionário uma ótima resistência no que diz respeito aos ácidos e às bases álcoois.

Mangotes de proteção

Os mangotes de proteção também são essenciais para preservar as mãos e os braços do profissional. Além de garantir a integridade dos funcionários no que diz respeito a produtos químicos, eles oferecem a proteção a cortes, elementos abrasivos e à escoriação.

Para a escolha do material ideal, o mais indicado é que analise a qualidade do fornecedor, bem como sua tradição no mercado e as alternativas de produtos disponíveis.

Protetor solar

Muita gente discute se o protetor solar, de fato, é um EPI. Como se sabe, para que seja considerado um, é preciso que tenha o Certificado de Aprovação. No entanto, não existe nenhum produto no mercado que tenha um CA, a não ser que seja creme solar. Mesmo não sendo integralmente considerado um EPI, é essencial oferecer esse produto aos seus profissionais, justamente pelos seus amplos benefícios.

Entre eles, destacam-se:

  • proteção da pele contra raios solares;
  • prevenção do envelhecimento precoce;
  • prevenção ao colaborador no que diz respeito ao aparecimento de manchas;
  • hidratação da pele.

Dessa forma, caso sua empresa exponha o colaborador a períodos no sol, é preciso orientá-lo quanto ao uso desse produto. E não deixe para passar essas informações apenas no verão, uma vez que residimos em um país tropical em que, no inverno, o sol também pode causar os mesmos danos às pessoas.

Neste conteúdo, você pôde entender a principal relação entre doenças de pele e uso de epi, além de conferir os produtos comuns para proteger seu colaborador em relação a esses pontos. É preciso entender que o uso desses equipamentos não traz a segurança apenas dos profissionais, como também da própria empresa no que diz respeito à legislação. Assim, evita-se problemas trabalhistas e gastos desnecessários.

Ficou interessado em saber um pouco mais sobre o uso do protetor solar, sua diferença para o creme e q sua relação com o EPI? Continue no blog e boa leitura!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *